Stop!

Foto: We Heart It
Olá galáticos! Toda vez que posto um foto de carro que dizer que vem mudança né? Dessa vez não estou mudando de casa, cidade nem muito menos de estado. Dessa vez a mudança está ocorrendo em mim.

Estou em um momento da minha vida de muita felicidade, vocês devem saber que quando a pessoa está em um estado muito feliz não consegue se inspirar. No meu caso é um combo de falta de inspiração + falta de tempo.

Quando comecei o blog disse que eu não ia abandona-lo e não vou, quero fazer dele mais do que nunca um diário, eu nunca consegui escrever em um diário meu todos os dias e com certeza aqui será assim também. Mas prometo voltar.

 Quero agradecer por você estarem ao meu lado sempre, quero agradecer por cada comentário fofo que me motivou, por cada curtida, por cada visualização e por cada seguidor. Muito obrigada mesmo <3
Não posso deixar de agradecer também a Ana e a Bruna, que nunca me deixaram na mão e me ajudaram muito por aqui.
Espero que entendam. Vocês me proporcionaram muitas alegrias <3
Beijos, até logo!

Rafa.

Resenha: Quem é você, Alasca?

Fotos: Just Carol
OLÁAAA, voltei com mais uma resenha do John Green, acho que ele já foi lido ou alguém já pretende ler, porque John é um queridinho das pessoas, acho que principalmente os adolescentes e claro que vale ler qualquer coisa que o John escreve, não é gente? Então, antes de qualquer coisa saibam que esse livro é um queridinho e foi meio engraçado eu ter ele de volta (porque eu tinha emprestado a uma pessoa e ela não devolveu e eu tive que comprar de novo ‘-‘) e ele é um amorzinho, tem um significado especial na minha vida e eu vou sempre relê-lo e eu acho que todo mundo devia ler ele porque ele é realmente especial.
As primeiras palavras que tem na capa do livro, é um meio que resumo dele mesmo, e é isso que o livro é sobre: O primeiro amigo, a primeira garota, as últimas palavras. Então, o livro conta a história do Miles Halter ou Gordo, como preferirem, ele é um adolescente comum mas ele é diferente, bom, me deixem explicar... Ele coleciona últimas palavras de qualquer pessoa, e ele ficou com as últimas palavras de Simón Bolíviar, e as últimas palavras dele foram “Como sairei desse labirinto?” e essas palavras ficou na cabeça do Miles e ele foi em busca do seu “Grande Talvez”, e nisso ele saiu de sua cidadezinha pacata, saiu de sua escola (onde ele não tinha amigos) e foi para um Colégio interno onde seu pai estudou quando mais novo e nisso ele vai cursar seu ensino médio lá, como eu disse ele nunca teve amigos mas assim que ele chegou no colégio interno ele conhece Chip ou melhor, Coronel, seu colega de quarto com um pouco mais de um metro e cinquenta e não é um personagem normal, mas ele nos encanta mesmo assim, enfim, os dois viram amigos e são colegas de quarto. Chip faz com que o Miles conheça a Alasca (sim, gente... Esse é um nome de uma garota!), uma garota divertida, confusa, linda, espontânea, é um tipo de garota que todo mundo se apaixona, ela não é uma garota que você está acostumada a ver em filmes ou livros, não é aquela patricinha, não mesmo, a Alasca foge totalmente desse padrão mas acaba se tornando a melhor personagem e aquela garota com quem os caras sonham sempre, ela é misteriosa e enigmática e isso fez com que o Miles se encantasse pela primeira garota que foi a Alasca, mas ela tinha namorado tá? E tem o Takumi, um descendente de Japonês que se integra no grupo, e tem a Lara que vai ser a primeira namorada do Miles mas ela não foi a primeira garota.

 Durante o livro, vemos as vidas normais dele, parecendo uma verdadeira festa por conta de muita bebida, festas, cigarros e tudo mais, falando isso pode até parecer um livro americano normal mas ele foge desses padrões, não é só Miles que está em busca do seu “Grande Talvez” são todos ali, mas principalmente Alasca e no final todo mundo descobre uma meio que resposta para tudo, e é esse tipo de resposta que vai quebrar seu coração em milhares de pedaços como quebrou o meu.
 O livro todo é rodeado de questões que todos nós – adolescentes, adultos, crianças, qualquer um -  temos em nossas cabeças, como a morte, nossas respostas para tudo, amizade, amor, perdão, inseguranças...  O livro teve um acontecimento muito forte que fez tudo meio que parar (não que a narrativa ficou lenta desde então, nada disso, a leitura flui sempre muito bem, mas você para porque é um acontecimento que você não espera de jeito nenhum e quebra seu coração e faz com que você não consiga fechar o livro até acabar!) e seu coração se parte em milhares de pedaços, então acho que no final o Miles encontrou seu “Grande Talvez” depois de ter procurado tanto, depois desse acontecimento e o fechamento do livro é digno de um livro maravilhoso e perfeito como é.

 Bom, o livro “Quem é você, Alasca?” é um livro muito mais que emocionante, ele tem um valor sentimental na minha vida, eu me deparei com questões nesse livro que todos temos e vemos os personagens refletindo sobre cada questão de modo diferente, e as que mais me chamaram atenção foi a da Alasca e a do Miles, acho que eu sou meio os dois, Alasca é um pedaço de mim, esse livro é um pedaço de mim, e acho que nós iremos conhecer quem é a real, enigmática, misteriosa Alasca Young e vemos o Miles crescer, assim como todos, é um livro emocionante, super recomendado por mim, para quem não sabe foi o primeiro livro que o John escreveu, o livro tem uma leitura super fácil, prática e a leitura flui que você nem vê, você não vai conseguir desapegar desse livro até o final, e sim, ele é dividido em duas partes, o antes e depois,  você percebe depois de um tempo, ou melhor, depois do acontecimento que a ordem cronológica do livro fica normal... Você vai perceber isso, então... Foi isso por hoje gente, vocês já perceberam que esse é um dos meus queridinhos e que eu recomendo muito, né? Enfim, leiam quando puderem, e lembrem de mim, haha.

Título: Quem é você, Alasca? — O Primeiro Amigo, a Primeira Garota, as Últimas Palavras
Autor: John Green
Editora: WMF Martins Fontes
Número de páginas: 229

Playlist: Clipes que eu adoro.

Foto: We Hear It

 Ok, eu sei que eu dei uma boa sumida (de novo) daqui por algum tempo, mas os motivos são justos, juro. Primeiro que minha vida está uma loucura, são coisas da faculdade, meus trabalhos, os projetos, as coisas dos corais, mil ensaios, leituras e ainda um concurso de musica que resolvi participar que está me deixando meio enlouquecida. É como minha irmã costuma dizer, eu quero abraçar o mundo e fazer de tudo, mas nem sempre dá certo. Mas enfim, ausência explicada, vamos ao que interessa, e ao que todos esperam: A música.

  Com toda essa correria, ultimamente nem tempo pra ouvir muita musica eu estou tendo, mas seria mentira dizer que não ouço ao menos uma música por dia.  Na playlist de hoje resolvi abordar um tema que me agrada e muito, ainda mais por esse ano ter uma disciplina na faculdade que envolve um pouco sobre isso: Os videoclipes. Concordam comigo que não adianta a música ser linda, de uma letra e composição incrível se ela não tiver um videoclipe que faça jus a todo esse trabalho? Em algumas aulas aprendi que a estética do vídeo, os movimentos, os planos, a aceleração, uma direção e principalmente a edição devem trabalhar juntas do inicio ao fim, e devem dar conta de representar em vídeo toda uma história, uma linguagem.

 Por isso, hoje, separei alguns clipes que na minha opinião são cheios de representações, linguagens,  e claro grande teor de emoção.

  Me contem: Já pararam pra analisar algum videoclipe? Se sim: O que acharam? Se não: Analisem, vāo gostar.

 Beijos extremos, e até a próxima *-*



1 – Waiting for Superman Daughtry
2 – Holdini Foster the People
3 – Up in the Air30 seconds to Mars
4 – My Songs Know What You Did in the Dark Fall out Boy
5 – Let me go Avril Lavigne ft Chad Kroeger.
6 – Mirrors Justin TImbarlake
7 – ChandelierSia
8 – Human Christina Perri
9 – Pretty Hurts Beyonce
10 – Any Which - Scissor Sisters

Favoritos do Flickr - Mayo!

Foto: Bruna Valença
  Holaaaaaa personas! Sei que faz tempo que não escrevo post interessantes, mas é que mais do que nunca minha vida está corrida. Minha rotina é estudar, estudar e estudar. Mas como prometi no começo do ano, estou aqui mostrando para vocês minhas fotografias favoritas de Maio.

 Então vamos lá:

Foto: Ana Clara
Foto: Leticia Sally
Foto: Fernanda Soares Machado
Foto: Vitor Mareco
Foto: Luis Gustavo Cavalheiro
Foto: Rebecca Palmer
Foto: Antonio Rodrigues
A minha preferida é a do Vitor Mareco, qual a sua preferida?

Resenha: A lista negra.

Foto: Bruna Novaes
 Vai ser meio complicado eu falar de um livro que eu amei muito e que trata de um assunto muito forte, e de uma forma tão intensa. Sim, pessoal, eu estou falando de a Lista Negra, um livro que é uma recomendação de cara, não importa as palavras que eu possa escrever nessa resenha, vocês só irão entender minha paixão e meus tamanhos elogios lendo.

 Eu nem fazia ideia de que ia ser tão intenso desse jeito esse livro, pois eu leio muitos livros que tratam de um assunto que está muito em alta hoje em dia que é o Bullying. Então, o livro conta a história da Valerie, que na verdade, é a recuperação dela porque todos sofreram um grande trauma na escola, pois o namorado dela um certo dia cansou das “brincadeirinhas” e conseguiu entrar armado no colégio e começou a atirar nas pessoas que estavam na “Lista Negra” dele e de Valerie, bom me deixem explicar. Valerie era sim uma vitima de brincadeiras – bullying na sua escola, e ela tinha que enfrentar sozinha tudo aquilo, e ela começou a anotar num caderno dela tudo que a incomodava, como as pessoas que praticavam Bullying com ela, e então ela conheceu Nick que era também um alvo dessas brincadeiras e eles dois começaram a dividir essa lista negra, colocando tudo/todos que os incomodavam, por isso ele saiu atirando em todos que estavam na lista e ela tentou sim parar o atentado de tão assustada que ela estava e acabou levando um tiro na coxa e acaba salvando a vida da garota que praticava Bullying com ela. Depois disso, Nick atirou em si mesmo. Valerie passou um bom tempo no hospital, sobrevivendo lá.


 Ela lida com a desconfiança de todos – até da própria mãe. Ela tinha aquelas imagens dos massacres, do namorado atirando, e todos gritando, tudo na sua cabeça, e ela tem que viver com isso, ela tem que sair do hospital e seguir com a vida, voltar para escola, mas ela não sabe como fazer isso, lembrando que a história se passa nos anos de 2008/2009, quando o Bullying se tornou um assunto muito mais “conhecido”, o livro vai contar como foi a volta de Valerie na escola, como as pessoas reagiram e como ela reagiu, mas a cronologia do livro é meio diferente, porque num momento estamos no presente mostrando ela reagindo agora na escola, e o antes quando ela estava com Nick e aquilo não saí da cabeça dela, o Nick, o tiroteio, tudo que aconteceu e principalmente a lista.


 Ah, um livro extremamente lindo e achei de uma fragilidade muito forte, principalmente a vida de Valerie que tinha um pai medíocre, eu o odiei bastante e também a mãe de Valerie não se passa despercebido, muito bem escrito, eu amei a capa, diagramação, tudo. E claro, ele fala de um assunto bem complexo e meio difícil de ser tratado que é o Bullying, e ele é um alerta para todos os alunos que praticam o bullying que isso não é só uma brincadeira para a outra pessoa, isso pode ser algo muito mais sério, eu gostei do livro, está bem na cara isso, eu super recomendo, sério, se você puder, tiver a oportunidade, não passe esse livro, leia porque ele é um lindo bem intenso e bem maravilhoso, ele é diferente, você vai saber quando ler. 

Enfim, não é gente? Espero que eu tenha convencido vocês á ler! E eu amei e sempre é um grande prazer dividir isso com vocês.


ISBN: 9788565383110
AUTORA: Jennifer Brown
EDITORA: Gutenberg
PÁGINA: 256

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...